CENTRO DE ANDROLOGIA E UROLOGIA

Reversão de vasectomia.

     A reversão da vasectomia (vasovasostomia) é solicitada por 2 a 6% dos homens (1), e geralmente são casos de divórcio e novos casamentos (2). A reversão pode ser empregada com alta taxa de sucesso. Até recentemente, apenas a vasovasostomia oferecia chances de gravidez, porém, na atualidade existe a ICSI (Intracytoplasmic Sperm Injection), onde um simples espermatozóide é colocado diretamente no interior de um óvulo através de uma micropipeta (Figura 1).

    A infertilidade após uma vasectomia tem um tratamento específico que é a reversão da vasectomia ou vasovasostomia (Figura 2). As taxas de patência e de gravidez na reversão de vasectomias são variáveis conforme o tempo de vasectomia (tabela 1). Deve-se empregar sempre a técnica microcirúrgica (microscópio cirúrgico) pois existe uma taxa de gravidez de 15 à 20% maior do que a técnica macrocirúrgica (sem microscopia) (3).

    Schlegel (4) demonstrou que o custo de um parto quando a reversão é realizada nos primeiros 3 anos de vasectomia é de U$20.954 e quando a reversão é feita após 15 anos, é de U$36.915. Já Pavlovich e Schlegel (5) calcularam o custo da obtenção de espermatozóides para ICSI e chegaram a um valor de U$ 72.521 por parto, o que é praticamente o dobro de uma reversão de vasectomia, mesmo quando esta se dá tardiamente.

    As vantagens da reversão são: menor custo, possibilidade de uma concepção natural, e o fato de que gravidezes subsequentes não necessitam intervenção médica. Como desvantagens temos a morbidade do procedimento, possibilidade de demora do sucesso e necessidade de uma vasectomia posterior (6).

    A decisão de optar por reversão de vasectomia ou ICSI envolve múltiplas variáveis. A vasovasostomia pode ser considerada quando a vasectomia ocorreu em um intervalo menor do que 15 anos, quando o casal deseja mais de um filho ou quando o casal não quer ou não pode lançar mão de técnicas de reprodução assistida (6). Se o indivíduo já apresenta idade avançada associada a co-morbidades, então pode ser mais vantajosa a ICSI. Também se a mulher apresenta uma idade mais avançada (mais de 35 anos), é melhor a reprodução assistida. Em termos de custos, a reversão microcirúrgica da vasectomia é o procedimento com melhor custo-benefício para o manejo da infertilidade pós-vasectomia.

    Sempre que possível, devemos realizar a reversão da vasectomia, por tratar-se de um método mais natural e que permite uma gravidez também mais natural. Reserva-se a fertilização assistida para pacientes mais idosos e nos casos de falha da vasovasostomia.


Referências Bibliográficas:

1.    Derrick FC, Yarbrough W, D’Agostino J. Vasovasostomy: results of questionaire of members of the American Urological Association. J Urol 1973; 110: 556-9.

2.    Belker AM, Thomas AJ, Fuchs EF, Konnak JW, Sharlip ID. Results of 1469 microsurgical vasectomy reversals by the vasovasostomy study group. J Urol 1991; 145: 505-11.

3.    Belker A. Macrosurgery or microsurgery for vasovasotomy. Contemp Urol 1995; 7(4): 55-60.

4.    Schlegel PN. Is assisted reproduction the optimal treatment for varicocele associated male infertility? A cost analysis. Urology 1997; 49: 83-6.

5.    Pavlovich CP, Schlegel PN. Cost-effectiveness of treatments for male infertility: a review. Asst Rep Rev 1998; 8: 40-4.

6.    Pierpaoli S, Mulhall JP. Vasectomy reversal in the age of intracytoplamsic sperm injection. Current Opinion in Urology 1998; 8: 531-4.


Dr Carlos Teodósio Da Ros

CREMERS 16962